Ninguém o superou na simplicidade e na obstinação. Raros homens, muito raros conseguem resumir o conjunto de qualidades que o caracterizavam. Inteligente, leal, afetivo, corajoso. Trabalhador incansável. Não quero só adjetivá-lo, merecidamente. Quero dizer o quanto lhe sou devedor dos seus exemplos, que foram esteios e estímulos em momentos difíceis e bons da minha vida. Difícil excedê-lo na capacidade de ser solidário, com gestos simples, espontâneos, mas com uma marca constante de firmeza. Dava o apoio e estimulava dizendo: Siga em Frente. Priorize a hipótese de vencer descobrindo as suas forças. Confie na sua capacidade de vencer obstáculos. Eles nunca são maiores do que sua capacidade de superá-los, pela força da sua vontade, a correção da sua conduta e a fé nas suas convicções. Também foi um gigante no amor à família ao lado de uma extraordinária mulher que lhe acompanhou por toda vida. Terezinha foi parceira compreensiva, amorosa, de uma docilidade simples que encanta e ensina; Transmitindo aos filhos, netos, bisnetos uma cachoeira de bons exemplos que se refletem na união de todos consolidada pela argamassa do amor mais puro e construtivo. Irradiavam uma energia positiva que estimulava os que com eles conviviam as mais sadias vontades. De ficar ao lado deles toda hora. De vê-los beijando os filhos e os netos, abraçando os irmãos e sobrinhos. Acariciando os bisnetos. Aconselhando a todos com um bom senso e um amor capazes de parar qualquer relógio e prolongar o desfrute de um ambiente de contagiante felicidade. Zé Ivanildo conhecia as coisas do mundo, com a sabedoria que brotava das suas múltiplas vivências. Da terra, dos bichos, da natureza que ele curtia de forma intensa entregando-se aos seus caprichos e dela retirando lições com a sensibilidade dos sábios. O amanhecer, o canto dos pássaros, a cana crescendo, a chuva chegando, o sol castigando e ele plantando. Sempre boas sementes. Não tinha intimidade com a fraqueza. Desprezava as conquistas fáceis e lutava teimosamente na defesa de suas idéias, das suas construções, de sua irresistível vocação de fazer amigos. Era um desbravador rebelde que não gostava de prato pronto. Sentia prazer em traçar metas e superá-las. Quem quiser que tentasse desafiá-lo a mudar de rumo para evitar os obstáculos mais difíceis. Argumentava, discutia, lutava e ao final decidia ao seu modo. Precisava ser assim para conseguir vencer com justiça o enorme volume de desafios que era obrigado a enfrentar no dia a dia. Relembro um episódio que aconteceu conosco nos idos de 1965. Ele convidou-me para ir a uma fazenda na Paraíba, dirigindo o seu fusca. Tínhamos que cruzar na estrada o Rio Paraíba e não tinha ponte. E eu então ponderei: Zé, o rio hoje tá quase cheio. Acho melhor a gente deixar a visita para outro dia. Ao que ele respondeu: Quinca, nós saímos de Macaparana para ir à Fazenda. Se o rio tá na frente, temos que cruzá-lo. Eu não volto de jeito nnhum. E meteu o fusca no Rio. Acelerou, a água entrando no carro, a correnteza levando o carro e ele dizendo. Aguenta mais um pouco, bota a cabeça pra fora que a gente chega do outro lado. A gente chegou. O carro ficou no Rio. E eu disse a ele: perdeste o carro teimoso. Ao que ele me respondeu todo melado de lama: vamos andando pra fazenda, afinal a gente saiu pra ir pra lá, e vamos chegar lá. Chegamos. O carro a gente recupera. Assim era ele. Na sua caixa de marcha era difícil engatar a ré. Com o meu pai Zé Francisco, seu tio e amigo de toda vida, por ele chamado de “baraúna”, dividia a adoração por Macaparana, sua cidade e sua saudade onde quer que estivesse. Marcaram, ambos, uma reconhecida presença especial entre as maiores expressões de liderança da família, da região e de Pernambuco. Foi um grande líder forjado na luta, calejado pelo volume de desafios, humanizado pelo espírito solidário com os seus empregados, colaboradores e parceiros. O respeito e a atenção que dispensava aos mais poderosos era o mesmo que dedicava aos humildes. Sem afetações. Com tranqüilidade e equilíbrio. Por tudo isso foi um vencedor em todas as frentes. Construiu casas, fazendas, usinas, fábricas, caminhos novos e estratégias pioneiras. Sinto orgulho de ser seu amigo, primo, admirador e filho pelo sentimento inabalável da gratidão. A dimensão do seu legado, a densidade das suas realizações o imortalizaram. Os teus familiares e amigos não deixarão que se apague o brilho da tua vida. Faremos tudo para honrar e propagar as tuas lições e as tuas obras. Descanse em paz amigo velho! Joaquim Francisco de Freitas Cavalcanti (Ex-governador de Pernambuco)